sexta-feira, junho 17, 2011

Ao Caro Católico Romano

Saúdo a todos com a paz do SENHOR JESUS, Filho de DEUS.

Esta matéria vem a propósito de uma discussão num forum de internet (v. nota) e é baseada essencialmente nos conteúdos que eu redigi nessa discussão. Fiz alguns necessários acertos de escrita, para a melhor compreensão do espírito do texto, para que fosse lido e compreendido por qualquer um  (é pelo menos assim por mim prentendido) - porque é minha intenção demonstrar os alicerces do meu pensamento, (ainda que em muito, ou assim espero, limado pelo de outros).


Reporto-me a palavras apenas de minha autoria, respeitando assim a autoria de quem debateu comigo.


Creio conseguir transmitir, aqui, o que encerra uma posição perspectiva, simultânea a informação objectiva , (tanto quanto me foi possível), desenvolvida ao travar-me em debate;   tocando nos pontos fulcrais de questões,  com as argumentações e contra-argumentações,  que permitem discernir intutivamente os pontos de vista e discórdia, entre a doutrina católica que defende o culto a santos com suas imagens e as (minhas) interpretações que rejeitam tal doutrina - da forma como se me foi, até hoje, apresentada.



"Do diálogo nasce a Luz"




Se perguntarmos a um ateu quem é crente, será que fará distinção em religião?
Se perguntar a um islâmico quem guerreava e matava nas cruzadas, o que dirá ele?


Será que JESUS alguma vez defendeu uma religião?Não. Ainda que censurasse os costumes e práticas dos fariseus, nem por isso ele atacou seus ensinamentos, pois ELE disse : - "fazei tudo o que vos dizem". JESUS era santo? Claro. Dirão os cristãos. E a igreja? Sim, também. E a Religião? Depende, pois, se é sã sua doutrina, ou não.

E há homens exemplares no meio da igreja? Que diz a História disso?
Será que a igreja foi anulada, desde o começo da ( suposta) apostasia que despoletou a Idade média? Talvez!... Pois se: -"os portões do inferno não prevalecem contra ela"-, é porque ela teria uma função expansiva conquistadora, que, como sabemos era espiritual e não secular, ainda que os meios que o diabo usasse fossem do mundo, para segurar os portões do seu domínio. Primeiro, ele usou a força para reforçar a segurança dos portões, mas depois aprendeu, que a melhor forma de manter seu espaço, era usar a diplomacia. Como? Ora, o mundo era o que usava para interromper o evangelho e a libertação das almas, através da opressão, o mundo se apresentava e se declarava contra os Cristãos, perseguindo-os e matando-os violentamente, mas se ele mudasse a estratégia para confundir mundo secular como sendo o campo espiritual da guerra , e se ele concedesse, através do mundo, umas tréguas e mais tardiamente o domínio do mundo aos cristãos, até então perseguidos, estes pensariam que seu império estava estabelecido (de certa forma) e consequentemente arrefeceriam na luta contra os portões do inferno, confundindo-os com os do mundo (conquistado). Aí, eles estabeleceriam leis que regessem o mundo, para que fosse do domínio cristão e não caísse fora dele, obrigando, inclusive à conversão dos povos dominados pelo Princeps ... o Grande Princeps que mais dominava no mundo, o mundo Romano-Germânico.

Este sempre viria a disputar sua influência e poderio com os bispos, inclusive o de Roma, que , por ser tão grande, veio a ser chamado de papa, pelos bispos de outras áreas do império secular do princeps.
Até que, o diabo, entendeu que o Princeps, deveria governar a religião instituida, a de Estado. Aqui, nesta sua tentativa, a História ensina que ele nem sempre obtém sucesso à primeira, mas que é persistente. A religião cristã ortodoxa, advém de uma cisão de política-administrativa da instituição denominada cristã.
Mas... o Ecumenismo Babilónico, consegue juntar todas as religiões do mundo, diplomaticamente. Os maçons acreditam em uma religião de fundo, comum a todas, a mais pura , de cuja luz se embebem as expressões religiosas dos povos.

A praça de S Pedro é dedicada à maçonaria.

Mas tb a praça dos islâmicos segue o mesmo princípio.

Amantes de colunas.



....





A guerra de DEUS não é contra a carne nem contra o sangue. Nem pretende ir pela força, nem pela critica, nem usar expressões do tipo: "Vocês"- como se ELE estivesse num club de bons.
Amar uma instituição, não é amar a sã doutrina. Odiar os que seguem o erro, não é lutar contra os portões do inferno, para os derrubar e trazer os cativos à mente de CRISTO.
Se perguntar a um islamico quem guerreava e matava nas cruzadas, o que dirá ele?

Papa Urbano II , (1042-199).

Desencadeou as cruzadas, para “livrar” a Jerusalém dos muçulmanos, que estava sob o domínio deles desde o séc VII. Para promover sua guerra santa, o papa alegou que os turcos estavam maculando os lugares santos e molestavam os peregrinos que lá iam orar. Em 1095 num discurso em França, ele exortou uma multidão, a se unir para a guerra santa, nomeadamente , utilizou o argumento da necessidade de proteger o sepulcro do Senhor. Com relação aos povos europeus , ele utilizava os motivos religioso como argumentos, mas , também apelava à cobiça, pois dizia que a terra santa era mais rica que toda a Europa. Garantia , além disso, que quem participasse nessa guerra, seria perdoado de todos os seus pecados e teria seu lugar assuegurado no céu. E assim, a 1ª cruzada , rapidamente se concretizou, para partir com 30 000 soldados.


Ao todo vieram a existir 9 cruzadas, que duraram até 1272.


Referência: 100.Homens.que.Mudaram.a.Historia.do.mundo-CD2

Bom, em relação à P. Iberica, achei este trecho na Wikipédia:


"Boa parte do território da península era então dominada pelos visigodos. A monarquia dos visigodos era electiva. Com a morte do rei Vitiza em 710, as cortes reuniram-se para eleger o seu sucessor, constituindo-se duas facções em disputa pela eleição: o grupo de Ágila II e o de Rodrigo, o último rei visigodo de Toledo.

Os partidários de Ágila II solicitaram apoio ao governador muçulmano de África, Tarik Ibn-Ziad (Tárique), abrindo-lhe as portas de Ceuta e incitando-o a enviar uma expedição militar à península, já que, desde o final do século VI, os judeus vinham sendo perseguidos naquela região e, dentro da xariá, a lei islâmica, é obrigação do muçulmano defender os adeptos dos livros (judeus e cristãos) [1].[2]. Esta defesa praticamente foi decidida após 612 quando, por decreto real, os regentes decretaram o batismo compulsório de judeus, sob pena de confisco dos bens ou expulsão daquela terra."

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Invas%C3%A3o_mu%C3%A7ulmana_da_pen%C3%ADnsula_Ib%C3%A9rica


Para um islâmico, todos somos cristãos.




Concluida esta fase.
Como é óbvio, DEUS não é a favor da guerra secular santa. A não ser por legítima defesa.

Se hj somos cristãos, não quer isso dizer que somos filhos de DEUS, salvos pela Sua graça. Afinal, aqueles que usam o seu nome para fazer guerra, são sete vezes piores que um descrente. Falsos profetas usam a coacção física e psicológica para fazerem suas vontades, não a de DEUS.
O cristianismo primitivo crescia mais na ilegalidade do que veio a crescer na legalidade. Aquando da tirania implantada pelos governos seculares, em nome da religião de Estado, o cristianismo deturpou-se. E direi mesmo , que se perdeu.

Contudo, Sua Palavra não morreu… - “a face da terra se renova pelo Seu espírito”.

Se a guerra impediu a tirania islamica (que é verdade) sobre os europeus na generalidade, não impediu que o cristianismo morresse e fosse substituído gradualmente através de um método de sincretismos religiosos, em que deuses foram adotados como santos da igreja e a as imagens prevaleceram sobre as Escrituras, pois eram parte das tradições dos povos dominados pelo império - e , ao que se sabe, quando uma tradição choca com as EsCRITURAS, o que deve prevalecer, no entendimento lockeano da doutrina da igreja Cristã católico e romana, é a Tradição. Porquê? Dogma. Talvez a explicação esteja fora da caixa. Talvez não se deva olhar, sob pena de entrar em pecado de duvidar da igreja (não é isso que se sugere pelos padres desde sempre?). Talvez a resposta seja uma "blasfémia"… - Porque serve os interesses do Estado.


Ora, quem é Babilónia?

Não é ela uma “prostituta que se dá aos reis da Terra”? Que vive em delícias. Que mistura o sangue dos santos e profetas e os bebe com suas imundícias. Que tomou conta de riquezas, luxos, domínios, terras, sistemas, animais e almas humanas.


Assim, quem é Babilónia? Ela não existe?


Eu, respeito qualquer pessoa que seja sincera. Mas ó sincero, sai dela. Sai porque és meu- diz o SENHOR, para que não sejas levado com ela para o inferno.


Foge da idolatria.


Foge do seu vinho misturado, que deu a beber aos povos da terra.
Porque o seu dia chegará. E o seu luxo arderá. E a beleza dos seus artistas e músicos perecerá...
Vide Apocalipse, que é Palavra do Senhor.


Os santos são deuses locais, na prática. Onde a diferança? Igualmente, os pagãos tinham uma divindade superior( como Zeus e Odin) e um resto enorme de outros deuses especializados, mas com menos poderes. Os deuses manes eram os entes, que eram adorados como deuses - acreditava-se que os mortos viviam entre os vivos para os abençoar ou amaldiçoar. Os santos da igreja católica , são mortos adorados como os deuses manes eram. E são alvo de culto e procissões, tal como os deuses pagãos, com imagens imaginadas de suas figuras sendo reverenciadas como um deus presente.


A Bíblia manda, em alguns casos, fazer imagens, mas nunca mandou que essas fossem reverenciadas nem cultuadas, nem honradas com orações a elas dirigidas. Os querubins sobre a arca e desenhados nas paredes, queriam transmitir o poder de DEUS que domina nos céus e na Terra. Os querubins, não estavam lá em pose de quem recebia orações. Uma situação indesejável , porém, ocorreu:

Juízes 8
"Então os homens de Israel disseram a Gideão: Domina sobre nós, tanto tu, como teu filho e o filho de teu filho; porquanto nos livraste da mão dos midianitas.
Porém Gideão lhes disse: Sobre vós eu não dominarei, nem tampouco meu filho sobre vós dominará; o SENHOR sobre vós dominará.
E disse-lhes mais Gideão: Uma petição vos farei: Dá-me, cada um de vós, os pendentes do seu despojo (porque tinham pendentes de ouro, porquanto eram ismaelitas).
E disseram eles: De boa vontade os daremos. E estenderam uma capa, e cada um deles deitou ali um pendente do seu despojo.
 E foi o peso dos pendentes de ouro, que pediu, mil e setecentos siclos de ouro, afora os ornamentos, e as cadeias, e as vestes de púrpura que traziam os reis dos midianitas, e afora as coleiras que os camelos traziam ao pescoço.

E fez Gideão dele um éfode, e colocou-o na sua cidade, em Ofra; e todo o Israel prostituiu-se ali após ele; e foi por tropeço a Gideão e à sua casa."

O Éfode nem havia sido uma ideia de DEUS, mas um símbolo de lembrança da vitória do povo de DEUS sobre os seus inimigos que Gideão quis erguer como quem ergue um monumento.
Eu não considero isso um pecado, mas o povo… começou a reverenciar tal objecto de forma errada. Por isso foi um tropeço.

As imagens, no catolicismo, são, no mínimo, um Tropeço. Mas impõem-se por causa da Tradição de cada povo (do Povo pagão em geral) e a doutrina católica Romana (que casa tão bem com os interesses de Estado em estabilizar a população) , assim permite que as tradições dos pagãos prevaleçam nos modos de vida da população, mesmo quando tais tradições choquem com a Bíblia. Ora, a tradição, não tem de ser necessariamente má, mas algumas podem tornar-se um tropeço. Claro, o catolicismo oferece nesse aspecto, “liberalildade cultural”, desde que o seu Poder sobre a população não seja afectado e até mesmo para evitar que que isso aconteça. Mas o pior é que se aceitem misturas francamente perniciosas à fé verdadeira e pura em sã doutrina, como se evidenciam em sincretismos quer filosófico-religiosos, quer representativos da religiosidade em geral, por homens que fazem a Religião católica ser cada vez menos cristã verdadeira e que usam o argumento, falacioso, da autoridade da igreja (que eles controlam, pois são os sábios no meio dela). Por exemplo: li numa revista Protestante (Novas de Alegria) portuguesa, há uns anos, que certo padre tinha colocado um buda (uma imagem) dentro de sua igreja- isto mais ou menos por altura da visita do Dalai Lama a Portugal. Que eu saiba, tamanha heresia, feita por um homem formado como é um padre, não foi alvo de censura publica por sua hierarquia superior – a qual era necessária para combater o fomento do erro no meio da sua paróquia. Ora se o erro do padre face à doutrina e prática religiosa católica foi público, convinha que a repreensão também fosse.


Quantas câmaras pintadas, quantas pedras figuradas, até um pilar de Baal têm no meio da Praça principal. Mas vejamos ainda algumas passagens que chocam claramente com o culto a imagens:

"Ele tirou os altos, quebrou as estátuas, deitou abaixo os bosques, e fez em pedaços a serpente de metal que Moisés fizera; porquanto até àquele dia os filhos de Israel lhe queimavam incenso, e lhe chamaram Neustã. 2 Reis 18:4 "


"Eu sou o SENHOR; este é o meu nome; a minha glória, pois, a outrem não darei, nem o meu louvor às imagens de escultura. Isaías 42:8 "
Confundidos sejam todos os que servem imagens de escultura, que se gloriam de ídolos; prostrai-vos diante dele todos os deuses. Salmos 97:7
Eis que todos são vaidade; as suas obras não são coisa alguma; as suas imagens de fundição são vento e confusão. Isaías 41:29 "
"Não fareis para vós ídolos, nem vos levantareis imagem de escultura, nem estátua, nem poreis pedra figurada na vossa terra, para inclinar-vos a ela; porque eu sou o SENHOR vosso Deus. Levítico 26:1
Então me disse: Viste, filho do homem, o que os anciãos da casa de Israel fazem nas trevas, cada um nas suas câmaras pintadas de imagens? Pois dizem: O SENHOR não nos vê; o SENHOR abandonou a terra. Ezequiel 8:12 "


Referências:
“O Mistério da Mistura”- http://www.igrejasdedeus.com.br/artigo8.htm ; Os Feriados de Origem Pagã e Como Foram Adotados no Mundo - Ocidentalhttp://wwwpicaretologos.blogspot.com/2009/11/os-feriados-de-origem-paga-e-como-foram.html ; http://www.catequisar.com.br/texto/materia/dout/lv02/09.htm ; : http://esperancanossa.blogspot.com/2011/04/quem-vem-primeiro-igreja-ou-as.html ; http://blog.bibliacatolica.com.br/doutrina-catolica/que-autoridade-prevalece/ ; http://www.veritatis.com.br/apologetica/solascriptura/850-a-biblia-ou-a-tradicao ; http://www.haroldoreimer.pro.br/pdf/Biblia_e_Ecumenismo.pdf




Quero afirmar que não pretendo demonstrar qualquer tipo de superioridade por ser evangelico, nem quero demonstrar que os católicos são inferiores moralmente.
Sei que em mim mesmo nada sou e que sou o que sou por Sua graça. Penso mesmo que por minha excelência , eu seria dos últimos neste mundo. Aliás, em minha capacidade intelectual sou um “zero” e e a comprovar isso está minha vida pessoal.
Mas o que tenho dou. Espero que tenha algum valor. Espero que se valorize aquilo que apresento como tentaviva de esclarecimento objectivo em nome do Bem comum e da Verdade, e de DEUS. Por nosso Senhor JESUS CRISTO, vos peço que me entendam nesta posição.

De facto, de facto, os santos e suas imagens, são adorados. Pela prática. Eles são adorados, ainda que chamem isso com outros nomes. Mesmo porque os leigos nunca distinguiram adoração de santos como não o sendo.


Há um filme português que relata os acontecimentos de Fátima em que Maria aparece aos meninos e ao povo exortando-os a adorá-la. Ora, não lembro que a Igreja se haja manifestado contra o que se diz nesse filme. Mas , ainda que teoricamente haja diferença na honra atribuída... na prática não há. Veneram, rogam, agradecem, invocam, sublimam, tais santos e "evangelizam" acerca deles. Têm imagens, sobre as quais fazem todo um ritual cultual. Ainda que digam que a imagem é apenas uma figura representativa, na prática adoram a imagem, honram-na, cultuam-na, oferecem sacrifícios de louvor e outros a elas...

DEUS não queria que se fizesse tal a nenhuma imagem, ainda que a tivessem como sendo uma figura representativa, assim como não quereria que adorassemos ou cultuassemos a um irmão que seguiu exemplarmente a CRISTO, porque se haja aproximado de sua craveira em termos de carácter e comportamento.


Invocar um santo é invocar quem já não está neste mundo. E isso choca com a própria letra da Bíblia. Isso é paganismo que adentrou na Igreja de Estado . Esta que é na verdade uma mistura de todas as religiões dos povos conhecidos ou dominados. E se o cristianismo denominacional nela sobressaiu, como sendo uma religião cristã, de facto ela sempre seguiu a filosofia indo-europeia ou mundana pagã (grega, romana, nórdica, hindu, babilonica, suméria, etc), misturando os interesses de estado com as superstições dos povos e os poderes verdadeiramente existentes das trevas ilusórias do diabo , pai da mentira, que se disfarça como anjo de luz da Verdade.


Cultuar a DEUS não é como nós queremos. Ou melhor, não é sem balizamento.
Nós não podemos incluir encobertamente ideias espirituais, invocações, superstições, idolatrias, deuses, e etc, nos costumes e nos cultos da Igreja de CRISTO, atribuindo a tais actos outros nomes. Isso é apostasia e heresia disfarçada.

Ou se ama a Verdade do Senhor ou se ama o paganismo. Temos de escolher. Mas Roma, na verdade nunca cedeu a CRISTO.


Ora eu só quero a verdade e me entrego a JESUS. Santo nenhum é detentor da verdade. Nem Maria. Nem anjos. E muitos dos que dizem vir em nome da Verdade, vêm na verdade, em seus próprios nomes, em suas próprias vontades, e vendidos e dominados pelo espírito da Mentira; os quais, e pelos seus actos , fazem denegriar a Glória e o Bom Nome do DEUS da Verdade. A Verdade é sempre justa e boa, mas os mentirosos deturpam e desonram-na dizendo-se verdadeiros e seus filhos.


Se eu crer só em JESUS e for obediente, sei que estou salvo.

Mas se crer em todos os santos além de em JESUS, no mínimo eu estarei me arriscando a crer em muitos beatos e canonizados que , mesmo na perspectiva católica , nunca o poderiam ter sido. Há ou não há santos que nunca deveriam ter sido santos (num ponto de vista católico)? E se se cultuar a um deles? Isso será um pecado? - uma vez que tais cultos só deveriam ser para santos “a sério”… suponho. Assim com a adoração é apenas para com DEUS.
Ou seja, a doutrina conceptual católica não é simples como a doutrina da liberdade de CRISTO. Que nos libertou das canseiras formalistas da Lei, para viver-se pelo ESPÍRITO. Que nos dispensou de ritos e rituais, para tão só lhe ofertarmos o coração.
A doutrina católica é incoerente com a Bíblia dos discipulos e apostolos do tempo de CRISTO sobre a terra e é incoerente consigo mesma.
Apenas o facciosismo, a obcessão, o fanatismo, o clubismo ... a Religião, pode fazer com que neguemos as evidências, enganando-nos a nós mesmos, ignorando voluntariamente a Voz que nos chama, ao procurar-se intelectualizar a desonestidade, que compômos em argumentos retóricos e em continuas buscas por argumentos remotamente possíveis de serem proporcionais `a razão que se nos é demonstrada objectivamente.
A sinceridade é do maior agrado para DEUS. A seguir a humildade.

Sem uma e outra... só a paciência de DEUS para nos aturar e, tentar iluminar nossas mentes fechadas.


Êxodo 20
"Não terás outros deuses diante de mim.


Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra.


Não te encurvarás a elas nem as servirás; porque eu, o SENHOR teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniqüidade dos pais nos filhos, até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam. "

Convém perguntar se os católicos, p’lo menos os leigos, não têm adorado seus santos conscientes dessa mesma adoração, embora ignorantes acerca da doutrina católica que os manda somente culturar seus santos.
Convém perguntar se reverenciar e fazer culto a santos e ou suas imagens , com tudo o que isso engloba na realidade católica incluindo a própria Doutrina, não é na verdade uma adoração, chamada com nomes disfarçados em termos técnicos que ao invés de gnosiológicos são eufemizantes.
Pergunto se há ou não santos cultuados, que não deveriam ser.
Pergunto se as imagens , figuras, pedras, etc... utilizadas conforme os costumes e as necessidades e ocasiões, pelo povo de DEUS , seriam objecto de culto, como os santos e suas imagens.
Pergunto -me acerca do que terá acontecido com relação à referida serpente de metal, uma vez que eles mesmos (os apóstatas de então) já sabiam que não deveriam adorar imagens; ou o que igualmente aconteceu com o éfode de Gideão. Será que eles não usariam um mesmo argumento atualmente usado pela igreja católica, ou melhor , pelos doutos e ensinadores nela?
Para o catolicismo, todas as criaturas são filhos de DEUS. Porém, filho de DEUS é apenas JESUS. Por adoção, contudo, são aqueles que são salvos por Seu Filho.

"Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.2 Co 5.17 "
" Porque não recebestes o espírito de escravidão, para outra vez estardes em temor, mas recebestes o Espírito de adoção de filhos, pelo qual clamamos: Aba, Pai. Romanos 8:15"

Ora, será que a serpente de metal e a veste de Gideão, bem, como as imagens dos pagãos, eram por alguém , considerados deuses em si mesmos? Claro que não. Mas eram idolos. E a idolatria é um pecado que põe DEUS em “ciúme”.
E santo… não é ídolo?
Donde vem que o santo conheça o coração dos petintes para agir sobrenaturalmente em sua vida? E como pode Sto António ou santo Agostinho , ou Santa Maria (que são referências para qualquer cristão) ouvir duas preces aqui e outra ali no fundo do mundo, ao mesmo tempo?- Isso é até incoerente com a própria restante doutrina católica, que, ao que penso, ensina que só ELE é Omnipresente e Omnisciente. Será que depois de mortos e elevados aos céus, podemos ser ubíquos? Ora , mesmo que assim fosse, como integrar coerentemente a invocação de santos que já estão mortos “debaixo dos sol” com o que a Bíblia ordena que se não faça – não invocar os mortos- ? Será que Saul fez bem ao invocar Samuel? A quem ele se dirigiu para que o ajudasse em tal intento? A um homem ou mulher de DEUS ou a uma mulher que vivia contra a Lei de DEUS, uma feiticeira? Uma feiticeira. Uma médium. (V. nota 2).
É que essa doutrina que institui o culto a santos e a suas imagens, pelo menos no que se gera dela, é que não se limita a homenagear um herói da fé como alguém que vai visitar a campa de um ente querido ou como alguém que presta solenidade perante o túmulo do "soldado desconhecido". Não há apenas uma homenagem, há veneração, o que de si é já indício de idolatria, e há também a apresentação de todo um culto em torno do ídolo, que inclui invocação e apresentação de orações. Agora digo, no mínimo: Quanta aproximação, não há aqui àquilo que é a Idolatria- como todos aqueles ritos, procissões , enfim, cultos que os pagãos celebram a suas divindades. Quanta? Mas a Bíblia diz, claramente: -"fugi da Idolatria" ( 1 Coríntios 10:14 ).
Apesar disso, dentro da Doutrina, axiomatizada, Romana:
Há ou não santos idolatrados, que mesmo respeitando a apologética dos santos, não deveriam ser cultuados, pois , uma vez examinados, nunca seriam santos?
Eu não estava lá, nas ocasiões das idolatrias dos judeus, mas, o que eles faziam, ou o que era observável segundo um exame científico-social antropologico, muito, muito certamente, não era mais do que o que se faz com as procissões e cultos em torno de santos e suas imagens.
As ESCRITURAS falam que os filhos de Israel ofereciam incenso a Neustã. Não diz que amassem à serpente sequer. Mas isso foi o suficiente para que o nobre rei a desfizesse em pó.
Buda tb não é um DEUS, para os budistas. Falam que não o adoram (dependendo do movimento de budismo). Mas , a meu ver , são claramente idolatras.

A incoerência de se adorar santos, não vem de agora, vem do praticado desde há muitos séculos. E sabemos que os santos eram feitos santos pelo povo e que estes os adoravam com o beneplácito da Igreja.
E se agora disserem que os não adoram , mas que os veneram e homenageiam, é , a meu ver, uma desculpa para o mal perpetuado durante séculos, e que já não o podendo esconder, por causa do conhecimento acessível à Humanidade, da Historia e da Bíblia, disfarçam-no, chamando as coisas sem ser pelos nomes.

Os pagãos sempre tiveram deuses maiores e menores. Será que só agora é que se chamaria a isso de adoração a uns e veneração a outros?

Não faz sentido, pois o que os pagão praticavam era idolatria e politeísmo. Os católicos, do mesmo modo, praticam exactamente as mesmas coisas - até os cultos foram feitos à "imagem" dos deles, na forma de os celebrar ( liturgia Romana) . Isso é desonestidade intelectual e o pior cego é o que não quer ver.
Ajoelham-se às imagens, que sabem que não são as pessoas em si, já mortas “debaixo do sol”. Oram a elas, acendem velas, fazem promessas, procissões, choram e derramam a alma diante delas, confiam nelas... etc, tal como os pagãos faziam com suas imagens todas, de maiores ou menores deuses. E vc quer continuar persistindo no erro de tal doutrina? Isso é um erro Voluntário.

Onde diz que eles oravam à serpente de metal porque DEUS os mandara ?
Acontece que , assim que eles começaram a honrar a imagem com incenso, eles já estavam começando a caír no pecado , fazendo “enciumar” ao Senhor. Mesmo sem que a Bíblia diga que eles chamassem à serpente de um deus ou outra coisa qualquer como um santo.
Tu podes dizer que não adoras a santos, mas diz-me onde está a diferença daquilo que tu e os outros católicos fazem em relação ao que os pagãos politeístas fazem.

Onde está que Isabel haja feito culto ou procisssão ou se tenha ajoelhado em adoração a Maria quando a louvou?
Afinal o que é adorar?
Não é o mesmo que louvar, ainda que isso seja parte da adoração. Eu posso louvar , agradecer, reconhecer, bendizer alguém, mas sem fazer culto. Assim fez Isabel, exclamando, não que ela era melhor que as outras, mas que era uma "sortuda" porque seria a mãe de CRIsTO.


Quando eu me refiro em termos de "intelectualmente desonesto" refiro -me à doutrina desenvolvida pelos doutores do catolicismo e quando me refiro "ao pior cego", estou a referir-me às paixões que nos tiram o amor que devemos ter à verdade, e por isso somos levados e manipulados por doutrinas erradas , de certo modo, voluntariamente (por que é isso que a paixão religiosa, o clubismo, o facciosismo, o partidarismo e etc... fazem), ok?


Garanto-lhe que isto do achismo, não é parte de minha forma de proceder, antes seria se eu fora partidário de alguma religião e se lutasse por amor à camisola. Mas eu amo a independência de pensamento, a honestidade e a busca pela verdade. Achei CRISTO, não preciso de seguir religião. E se me identifico com o que é pregado e ensinado nas escolas e nas igrejas evangelicas, é porque penso e reflito sobre a Bíblia, de modo particular e não impingido por regras de doutrinas de homens de uma instituição religiosa. Eu creio na Bíblia por mim mesmo, e em CRISTO , que é Sua Palvara Encarnada, e viva!- o messias perfeito da intenção de DEUS- e não vou em cantigas de amor à tradição e nem cedo por influencia de terceiros ou pressão da população, conforme sempre fez nas mais variadas vertentes da Realidade. E vc, caso seja honesto deve reconhecer isto.

Bem aventurado, felizardo, sortudo, aquele que Conhece ao Seu DEUS particularmente, pessoalmente, intimamente.


+++



Eu, de facto, sou evangelico, não por clubismo, mas porque penso e sou livre para o fazer, e faço um exame crítico a este movimento e considero-o de melhor doutrina que a dos ortodoxos ou dos católicos. Mas sou livre para examinar. E mesmo que não vá a igreja alguma e nem comungue com evangelicos de igreja , e mesmo que nunca houvera conhecido uma igreja evangelica, eu, seria evangelico como eles, porque a sã doutrina é a da Bíblia, a qual nós seguimos, a qual Roma escondeu, até que os protestantes a expuseram a troco de muitas de suas vidas.

Pareço contraditório mas direi: Eu não sou catolico, nem evangelico, nem ortodoxo... mas conheço a JESUS , Filho de DEUS. Não preciso de Religião para isso e isso é que conta. Alias, melhor que conhecer JESUS, é ser deste conhecido.
Quem é meu irmão???
Aquele que pratica as obras da fé em caridade. Aquele que dá a sua Vida em Nome da Verdade. Muitos vêm em nome da Verdade, mas são filhos da Mentira e não Filhos d’Ele. Desonram o bom Nome da Verdade, a qual é sempre justa e boa; e fazem com que se blasfeme dela e se pretenda o Relativismo optimista como sendo melhor que procurar e defender a Verdade como guia para a Vida. Como se a Verdade fosse ela mesma adaptável às preferências, aos gostos, às modas, à dialéctica política, enfim… Como se o erro já não existisse.
O Filho da Verdade, ama-a constantemente. Não a nega. Ainda que isso lhe custe a vida. Ainda que isso lhe pese na vida. E mais difícil, penso, em termos genéricos, que dar-se a vida para se morrer é dar-se a vida vivendo. Mas quem a este jugo se dispõe? Os honestos são excluídos, excomungados, feridos e perseguidos pelo próprio diabo disfarçado em anjo de luz verdadeira, que possui aqueles que se dizem arautos da verdade, mas são mestres da mentira, seduzidos, comprados e dominados por ela.


Ora, ninguem peca por ter um só Senhor e servir apenas a DEUS com seu culto racional.
Se o protestante estiver errado em sua doutrina, ele acaba por não pecar. Não Peca ao não servir imagens, ao não se encurvar a elas, ao não prestar-lhes honras e culto e procissões e orações e lágrimas de coração aberto e sujeito, ao não acender-lhes incenso ou velas, ao não as invocar , ao não as bendizer e louvar e venerar, "ao mesmo tempo" que a DEUS.

Mas se o católico estiver errado......
ai!
ai!ai!ai!
Mais vale proceder como os evangelicos, pois assim não temos nada a recear.




Uma mulher casada com aliança de seu marido, deitava-se com um amante e de vez em quando com mais um dois ou 3 e até com mulheres e chegava a entrar em círculos de orgia.

Mas ela sempre dizia: estou com eles, mas eu amo é meu marido. Gosto deles, mas eu amo é meu marido. Fornico e faço tudo como faço com meu esposo, mas é só a meu esposo que presto meu amor. Por isso não me considero adúltera e muito menos infiél.
Ela diz para seu esposo: esposo amado, eu não te deixo por outro. só a ti te amo.
Mas seu esposo diz: porque será que chamas seus nomes quando esta´s comigo? não te satisfaço? que tens feito? adulteras?


Ora, na conceção dela, ela não é adúltera. Mas será que não é mesmo?
Como será que o crente fará diante do Pai e do noivo? será que a tua consciencia está tão enredada que não vês o mal que cometes?
O que eu digo não é por falta de respeito, nem porque me ensinaram assim, nem porque julgue os católicos, nem porque me una a protestantes contra católicos. Antes o que te digo é o que deveras penso e tu não deveria levar a mal, pois não escarneço de ti nem dos católicos, mas faço uma crítica ao catolicismo (o que é diferente). Alias, se eu não fizesse uma crítica, eu seria provavelmente mais um desses Pretensos católicos, que o são por mera tradição de família e de Estado.


Agora vê, se realmente, aquilo que eu digo não faz sentido. Porque ir para a cama com outras mulheres e dizer que não é adultério porque se ama apenas à esposa, não será um erro de concepção? E ao sê-lo, porque não emendar tal conceção? por amor à camisola do catolicismo, por teimosia, por tradição, orgulho, vergonha, pressão dos outros?... quererás tu continuar no erro voluntariamente e conscientemente, negligenciando aquilo de que tua consciência já mais não pode esconder-se, mas pode apenas deixar-se adormecer e enredar em falso intelectualismo desonesto?


Desculpa, irmão, mas tens de te emendar, de caso contrário, eu não te julgo, mas sim DEUS, e o teu coração que tentarás adormecer ou enganar.
Cuidado, por que eu te digo que te convertas à verdade, não a uma religião. Te digo que te unas a JESUS. E que sejas sincero e honesto contigo mesmo, para que tua salvação seja garantida pela Verdade n’ELE.

Vê só que, quando tu dizes que te ajoelhas diante das imagens, imaginando que que ajoelhas diante da pessoa que tal imagem representa, e lhe diriges todo o culto que dirijas, estás errado. Fundamento isto, por exemplo, nisto:
João 22
"E eu, João, sou aquele que vi e ouvi estas coisas. E, havendo-as ouvido e visto, prostrei-me aos pés do anjo que mas mostrava para o adorar.
E disse-me: Olha, não faças tal; porque eu sou conservo teu e de teus irmãos, os profetas, e dos que guardam as palavras deste livro. Adora a Deus."

Vê que procuro sempre argumentar com coerência e me esforço mesmo por apresentar referências concretas para os meus argumentos. Portanto, não faria sentido dizeres que eu não estudo ou que apresento meu entendimento sem fundamentação.
Vê que nem JESUS, nem os judeus verdadeiros (não apostatas, dos quais vem a salvação, conforme nos diz a Bíblia), nem os apóstolos, nem os profetas verdadeiros, alguma vez tiveram imagens uns dos outros, ou de anjos ou de santos ou de profetas ou de CRISTO, (pois houve teofanias dELE enquanto anjo, p.e, quando apareceu aos futuros pais de Sansão). E o único que foi adorado “debaixo do sol” sem lesar a majestade divina, foi o CRISTO. E se havia no templo e na arca alguma imagem, nunca se ajoelharam a elas e muito menos lhes dirigiram orações, acenderam incenso ou celebraram culto. De Contrário, todos quantos fizeram semelhante, fizeram-no a deuses pagãos e excecionalmente a algo relacionado com sua História e seu DEUS (como com a veste de Gideão e a serpente de metal), e vê que mesmo fazendo com relação a algo relacionado com seu DEUS, DEUS lho proibira, pois DEUS não queria imagem nem de Si mesmo para ser cultuada, quanto mais de qualquer outra coisa ou ser, como afinal os católicos fazem . - Mas eu não acuso os católicos, apenas quero expressar este meu ponto de vista, pelo qual não te deverias sentir ofendido, pois se não concordas, não te obrigo, mas é minha opinião, que livremente devo expressar , sem medo.

Todos quantos se ajoelharam a imagem foram tidos como idolatras. É isso que a Bíblia deixa induzir por lógica e análise dos acontecimentos que narra. E já citei algumas passagens disto, quer quanto a acontecimentos concretos com que DEUS tratou, quer com suas Leis e regras, que ELE fazia manifestas atraves dos profetas.
Mas mesmo que te ajoelhasses e cultuasses a pessoa em si, presente diante de ti, por ser santa, vê um exemplo do que a Biblia ensina quanto a tais atitudes ( e trata-se ali, do velho e sábio e cheio de autoridade, o ancião João).


+++


Josué ajoelha-se para a arca ou para o que "habita entre os querubins"- o DEUS invisível?
Mandar fazer imagens simbólicas é o mesmo que mandar cultuá-las. Então?
Tu não consegues, com estas ilustrações, convencer o meu intelecto, pois não é refutação  ao que apresento. E se eu transmito o meu entendimento, tu transmites o teu. Um ou outro estará certo. E se assim for, então, um ou outro, DEUS sabe, tem que estar errado. Esta é a Verdade.
Pois dar o meu parecer, a teu ver, em teu entendimento, é algo errado? É desrespeito?- por mais sincero que haja sido e , intelectualmente honesto, e me tenha fundamentado na Bíblia para as minhas argumentações- O que eu faço é cegueira?...
Constranjo-te a reveres-te e perguntares-te se estás com um espírito honesto, imparcial, limpo.
Aliás... ilustrações, como as acima, não corroboram as ideias de culto a pessoas (em si ou as suas imagens, ou de qualquer outra coisa).
Cadê a fundamentação para aquilo que tu não queres chamar de idolatria, mas que tens de chamar de culto?

Sim, não se chama de idolos nem de latria aos santos (ou suas imagens), mas ... cadê a fundamentação para os cultos (que admitem que são)? Está na Bíblia? Nos judeus, nos cristãos? Ora... Não. Mas nos Romanos. E nos gregos, nos hindus, nos germanos, etc... povos "sem DEUS" (como se lhes refere a Bíblia; se bem que se ressalva que DEUS está em todo o lado e os vê na mesma e cuida deles.... mas, será que vc me entende?).
Os Romanos adoram JESUS como mais um deus. Pode até ter sido adotado como o principal, mas... os costumes antigos , lá continuam, das velhas seitas e cultos a deuses e, enfim, olhe mitos, santos, heróis... como lhe queira chamar.
Se não o convenço...  paciência. Porque já o refutei. De caso contrário, insistirmos, seria um desgaste meu e seu, ou uma tentativa de "lavagem cerebral" de parte a parte. ... Isso dói, isso é errado e mau.

Sinceramente,

JESUS o abençoe. A mim tb, para não pensar que o que digo é por maldade e cinismo.
Pergunto, apesar disto, se a nossa conversa é para si um debate sério e honesto com intenção objectiva ou, se é apenas um confronto advogatório entre partes conflituantes e contrárias, em que se põe de um lado Protestantes e do outro Católicos.

Eu uso a expressão- "o pior cego é o que não quer ver"-, não como intento de ofensa . mas como provérbio popular, e , como tal , cabe a ti avaliar se esse provérbio é ou não aplicável a teu caso. Mas isso não é uma ofensa gratuita.
Nunca impus minhas ideias como um absolutista Dogmático, mas procuro um fundamento nas minhas afirmações p’ra resultarem em forma de conclusões. Dou disto um exemplo:

“A incoerencia de se adorar a tanto santos, não vem de agora, vem do praticado desde há muitos séculos. E sabemos que os santos eram feitos santos pelo povo e que estes os adoravam com o beneplácito da Igreja.
E se agora disserem que os não adoram , mas que os veneram e homenageiam, é , a meu ver, uma desculpa para o mal perpetuado durante séculos”

Se tu não concordas com o facto que eu assevero, podes fundamentar e apresentar tuas refutações. Claro, dizes que o teu conceito de adoração não é o mesmo que se possa usar para definir a estima que existe para com os santos cultuados, mas eu não concordo com a diferença que tu encontras, pois a meu ver esta é meramente teórica. E dei o exemplo da parábola da mulher adúltera que diz que só ama seu esposo, apesar de se deitar com imensa gente, praticando com eles o mesmo que pratica sexualmente com seu esposo e clama por eles, até quando está “cultuando” a seu esposo. Ora , ela pensa que não está errada e que não é adúltera. Mas, me diz, o que tu achas?
Será que deveríamos “ver como ela pensa” e já não dizermos que , afinal , o que ela pratica, só porque pensa do jeito que pensa, já não deve ser considerado pecado de adultério? O que tu farias’ Qual a tua classificação do que ela pratica? O que lhe dirias?
Peço-te a bondade em responderes a estas questões, mas , se quiseres. Eu já sei o que responderia. Agora o que tu farias, será da tua responsabilidade. Eu não posso impôr–te um certo comportamento, independentemente do certo ou errado que esse seja, pois tu és livre. E podes até querer fazer o que saibas que está errado.
Assim, eu e os protestantes e os católicos e os dissonantes, apesar da má fé que se vê neste mundo, tentam sempre fazer valer suas opiniões. E isso é legítimo e lícito. Mesmo os mentirosos têm direito à opinião. Cabe a DEUS julgar a cada um.
Agora, cabe a cada um, na sua liberdade filosófica e democrática, fazer opções que envolvem seu intelecto e acima de tudo seu carácter. As quais coisas definem a personalidade de cada qual.


Vê que eu digo que mesmo os intelectualmente desonestos têm direito a intervir (*). E se queres que te diga, eu, só os temerei caso minhas convicções não sejam sólidas em coerência, honestidade e fundamenatção intelectual (a qual carece de conhecimento e /ou de pensamento). Se o que eu faço fosse um jogo político, eu sei que estaria sempre em guerra e com medo dos argumentos contrários. Mas se o que faço é de coração transparente, nada tenho a perder, caso perca nas minhas argumentçãoes. Antes , ganho. Porque o que busco é a Verdade das coisas e nada mais me interessa que eu possa querer defender. E amo quem me faça mudar de ideias, desde que o faça pelo peso da luz que me transmita.
Infelizmente, existem mentirosos, que como serpentes sábias, iludem os mais despreparados . é verdade. Mas , quase tenho a certeza que os tais que se desviam, se deixam iludir por causa do que aparentemente implica a mudança para seguirem o que os mentirosos dizem, ou seja… mudam porque sentem uma motivação extra que lhes serve mais o “ventre”, porque são aliciados pela carne.
Exemplo, suponhamos:


Tu estás desempregado, mas és moralmente correto sempre. A certa altura surge-te uma oportunidade de emprego. Aí tu dizes: eh … mas eu só faço coisa honesta. Aí o empregador diz: nós somos honestos. Aí tu ficas a saber que eles cobram conforme a “cara do freguês” aos seus clientes. Então , tu dizes: ei… isso não é moralmente correto. Contudo, teu patrão te diz: Ué? porquê? Aí tu dizes: porque não se deve ter preços diferentes pra vender conforme a bolsa do cliente. Mas aí o empregador diz: meu caro, pensa bem: se tu ficares desempregado, outro vem para teu lugar e tu ficas a sofrer, apesar de não mereceres, sendo que o outro pode ser bem pior que tu; e se vires bem, nós só tamos vendendo mais caro a quem pode financiar nossas vidas, que são bem mais pobres- pelo que há uma distribuição de riqueza, que eles não fazem porque são, na grande maioria dos que atendemos, corruptos e roubam o pobre nos impostos e nos salários e noutras coisas mais como a exploração dos menos afortunados; pelo que o que fazemos é moralmente correto. Então, tu, que precisas do trabalho e até entendes a sabedoria do teu patrão, acabas concordando.
Mas aí, depois de cederes da inflexibilidade moral, surge um caso bem evidente como imoral: Uma senhora necessitada que compra produto estragado, mas ninguém fala nada. Aí, a senhora, vem dias depois, para devolver. Mas teu patrão e os empregados entraram num jogo de mentira e dizem à senhora que o produto estava bem na altura da compra e que se terá estragado na viagem para casa que a senhora fez. Tudo bem. É imoral. Aí tu dizes a teu patrão. Aí patrão. E isso , não é imoral? Ele diz: Não. Tu perguntas: porquê? E ele diz: porque a devolução do dinheiro seria um desastre para a empresa, pois que esta precisando de vendas , e não de devolver dinheiro. Aí tu dizes. Éh… mas o que dissemos é uma mentira. Aí ele diz: mentirinha sem importância que, se não fosse assim, as vendas seriam muito mais baixas e retirariam emprego na empresa.
Em outra ocasião, surge um senhor importante, promissor parceiro de negócios, muito rico. E o patrão oferece a ele o mesmo tipo de produto que o vendido à tal senhora. Aí, tu dizes: ué? Aí o patrão fala: tem de ser assim, dar a este, porque pode ser um parceiro no futuro que garante mais dinheiro para o bolso de todos na empresa . Aí tu ficas confuso e perguntas: a moral é procura meu próprio interesse?
Aí patrão fala que tá cansado de tuas conflitualidades e que tu não te adaptas, mas que te dará mais uma oportunidade. Aí tu ficas em pânico e lembras do sermão da tua mulher e daquele serviço de louça que disseste que havias de lhe dar, e tu … cedes e calas-te com medo. Aí patrão sente teu medo e começa a explorá-lo a seu bel-prazer. És seu escravo e tudo que ele te diga para fazeres , tu fazes, porque te vendeste e nem vês como e o quanto. Aí surge um pobre coitado, endividado, reclamando que foi enganado por outra loja. Aí teu patrão te manda tratar muito bem esse cliente e vender uma coisa podre pelo triplo do preço de quando estava boa… e diz que lhe deves dizer que nesta loja somos todos muito sérios e que zelam pelos seus clientes , e que ele pode confiar e levar aquele produto, que é mais caro que o normal, porque só se vende o que é muito bom, nesta loja, e que lhe faz ainda, um desconto de 20 por cento. Aí tu pensas… se eu não fizer isso , perco emprego. E teu patrão diz que, se te portares bem , passas a chefe de loja em dois tempos. Aí tu dizes: há tanto tempo que eu preciso de estabilidade e paz financeira. Minha mulher sofre e briga a toda a hora. Quase me deixa . Ah…. Que se lixe, vou cuidar de mim e ser feliz, como DEUS quer que eu seja, esta é a moral da história.


Ora esta historia, ilustra um pouco do meu sofrimento. Mas com a diferença que eu tenho preferido perder o emprego e que … nunca tive mulher, apesar de ter 33.

Agora, eu te digo, eu sou honesto. Posso errar. Posso até me enervar. Posso pecar por meus impulsos. Mas eu sou honesto. E minha palavra é honesta. E meu pensamento é chegar ao esclarecimento.
Não é chegar a um acordo, nem a um negócio ou um tratado ou convenção de ideias.

Venha cá o mentiroso. Tentarei eu mesmo nem o ofender, mas lutar contra a sabedoria que apresenta e desmistificá-la e retira-lhe o brilho falso.
Venho o enganado, quando sincero. Eu tentarei dialogar com ele, entender seu erro e apresentar –lho, para que ele se mude a si mesmo.
Venha o hipó… Não. Com estes … ui! JESUS . Bom. Venha, mas aqui eu só vou lutar para não perder meu animo e postura.



Posto isto. Agora, por favor, me responda:
- o exemplo da parábola da mulher adúltera que diz que só ama seu esposo, apesar de se deitar com imensa gente, praticando com eles o mesmo que pratica sexualmente com seu esposo e clama por eles, até quando está “cultuando” a seu esposo. Ora , ela pensa que não está errada e que não é adúltera. Mas, me diz, o que tu achas?
Será que deveríamos “ver como ela pensa” e já não dizermos que , afinal , o que ela pratica, só porque pensa do jeito que pensa, já não deve ser considerado pecado de adultério? O que tu farias? Qual a tua classificação do que ela pratica? O que lhe dirias? Será que seu (dela) conceito de adultério está completo e certo?



A idolatria, e o adultério existe. Se tu dizes que na religião católica, na sua doutrina, não há idolatria, não tens que temer. Assim como eu não tenho de temer, ainda que me identifique pessoalmente mais com a Doutrina comum dos evangélicos.


Este exercício é somente para que tu te respondas a ti mesmo . Agora, eu por minha parte, não fujo às respostas, e posso dá-las:



- o exemplo da parábola da mulher adúltera que diz que só ama seu esposo, apesar de se deitar com imensa gente, praticando com eles o mesmo que pratica sexualmente com seu esposo e clama por eles, até quando está “cultuando” a seu esposo. Ora , ela pensa que não está errada e que não é adúltera. Mas, me diz, o que tu achas?


Acho que ela tem uma definição errada quanto ao que é o adúltério

Será que deveríamos “ver como ela pensa” e já não dizermos que , afinal , o que ela pratica, só porque pensa do jeito que pensa, já não deve ser considerado pecado de adultério?


Claro que é pecado de adultério. Ela procura o gozo com outros e a união com eles, a intimidade com eles. Isso deveria ser suficiente para ela sentir que tal comportamento é errado, pois tira esse espaço de honra a seu esposo e dá-o a outros; porém, vamos pôr esta questão da consciência que ela negligencia, de parte, para analisarmos à luz da mera razão se o que ela pratica , ainda que ela esteja inconsciente, é ou não objectivamente (e portanto, não depende do que ela sente ou pensa) adultério. Ainda: será que o adultério é algo intrinsecamante realtivo, idiossincrático, e logo, depende sempre da subjectividade?

 Quanto a isto eu respondo que o conceito subjectivo, puder tornar-se universal, passa a designar-se como algo subjectivo-objectivavel. Uma vez que se trata de uma questão intrinsecamente humana (da ordem da moral, da psique, das emoções), o adultério, podemos dizer que, se é subjectivo-universal , está ou deve estar, automaticamente, objectivado. Se não for universal, por haver diferenças de entendimento acerca do conceito de adultério, ou se o adultério não existe no entender moral de determinadas culturas, será que o adultério existe de facto, não enquanto actividade moralmente classificável, mas enquanto realidade social? Bom, ainda que se imponha a necessidade de mudança de terminologia para tal prática , no caso desta enquanto actividade meramente social, ela existe de facto , enquanto actividade, enquanto comportamento dentro de todas as culturas até hoje observadas. Posto isto então, há, existe o comportamento a que designamos, enquanto não haja mudança na terminologia, adultério. Isto é observável enquanto acontecimento na realidade social. Logo é algo objectivo dizer que existe o adultério. E será também objectivo dizer que tal adultério é o comportamento social , que normalmente ou tendencialmente e maioritariamente é entendido, numa comunidade e em todas de forma geral, como algo Imoral; e que se traduz num comportamento a que podemos considerar de desviante, face às normas sociais, sejam estas quanto à Moral, ou, sejam estas quanto às regras e leis comunitárias ou da sociedade. O adultério enquanto conceito abrangente, envolve desde os pensamentos consentidos pelo sujeito de tais pensamentos até à consumação de actos de natureza sexual. Porém, enquanto realidade factual observavel em concretização, isto é, num sentido mais restrito e rigoroso para o termo, adultério é a dita consumação de actos de natureza sexual. Esses actos por suas vez podem ser considerados como sendo menores ou presdispositórios, como os eróticos e provocatórios e preliminares à consumação sexual penetratória ou, podem ser maiores, como a consumação sexual coital. pelo que há aqui alguam divagação quanto ao que é "trair" um namorado ou um esposo. Pois o próprio namoro na sociedade ocidental actual implica uma série de comportamentos sexuais, (ainda que estes sejam de grandeza menor e mais restritiva como se pretende que sejam numa comunidade religiosa cristã), pelo que pode acontecer que um namoro seja saturado de infidelidades, quer pelo uso de atitudes provocatórias , conscientes ou inconscientes, face a individuos de sexo oposto, quer pelo apreciar e sentir o apelo sexual desses mesmo individuos.


Ora, face a isto, - ainda que pondo de parte a questão da consciência , e da moral, - a mulher é adultera, ainda que ela o não endenda como tal. Esta afirmação é meramente objectiva e verificacionavel científicamente. Direi mais: é por demais, evidente.



O que tu farias? Qual a tua classificação do que ela pratica? O que lhe dirias? Será que seu (dela) conceito de adultério está completo e certo?

Eu , enquanto cristão, teria de transmitir o valores cristãos e teria também de lhe dizer que ela estava errada, ainda que ela o não entendesse como tal.


Sei que a sociedade pode fazer "lavagens cerebrais" atrves de seus valores contrarios à Lei Natural, à Consciência e à Lei Divina Positiva (a da Palavra), por exemplo, através de pressão de grupo. Porém, eu tentaria acordar sua consciência. Se ela , ainda assim reagisse mal e me atacasse pessoalmente, eu tentaria ter alguma paciência e suportar, pois sei que o ser humano tem dificuldade em mudar e em aceitar que está errado. Porém, eu ajuizaria, o melhor qu eu pudesse, o meu limite e a vontade livre que eu teria de respeitar, caso ela não quisesse, simplesmente aceitar mudar, por motivos dela. Ainda que, eu pudesse sentir-me impelido a adverti-la de que ela estaria a enagnar-se a si mesma, caso não admitisse a Verdade objectiva que eu lhe transmitira acerca do que é o adultério enquanto conceito e de que ela o praticava, e que estaria a errar voluntariamente, isto é a praticar a negligência. Mas que tal só a levaria a tornar-se louca, face a DEUS e ré como foi Esaú, e que ela não valorizava a benção da Verdade e preferia o erro e a Mentira para viver na sua carne sem ter de ouvir a voz de sua consciência, e , que tal só a levaria para a destruição e para o lugar reservado aos que amam mais as trevas que a Luz.

 
Isto seria o que eu faria.





Quanto a si, não sei.
Mas aqui estão minhas respostas. Agora, se quiseres, responde tu tb. Mas eu respeito tua decisão. Não vou, e nem tenho como, forçar-te.


Repito-me:
" Peço-te a bondade em responderes a estas questões, mas , se quiseres. (...) pois tu és livre. E podes até querer fazer o que saibas que está errado. (...)

Agora, cabe a cada um, na sua liberdade filosófica e democrática, fazer opções que envolvem seu intelecto e acima de tudo seu carácter. As quais coisas definem a personalidade de cada qual.

"Se o que eu faço fosse um jogo político, eu sei que estaria sempre em guerra e com medo dos argumentos contrários. Mas se o que faço é de coração transparente, nada tenho a perder, caso perca nas minhas argumentções. Antes , ganho. Porque o que busco é a Verdade das coisas e nada mais me interessa que eu possa querer defender. E amo quem me faça mudar de ideias, desde que o faça pelo peso da luz que me transmita. "


Posto isto. Agora, por favor, me responda:

"- o exemplo da parábola da mulher adúltera que diz que só ama seu esposo, apesar de se deitar com imensa gente, praticando com eles o mesmo que pratica sexualmente com seu esposo e clama por eles, até quando está “cultuando” a seu esposo. Ora , ela pensa que não está errada e que não é adúltera."


Mas, me diz, o que tu achas (pensas, entendes)?



Será que deveríamos “ver como ela pensa” e já não dizermos que , afinal , o que ela pratica, só porque pensa do jeito que pensa, já não deve ser considerado pecado de adultério?


O que tu farias?


Qual a tua classificação do que ela pratica? O que lhe dirias?

Será que seu (dela) conceito de adultério está completo e certo?




Paz de CRISTO

+++







Nota- a conversa na qual se baseia o texto acima, que dedico a qualquer mente católica ávida, consta em:
http://porissocri.criaforum.com/t71p25-os-catolicos-mataram-com-requinte-de-crueldade-por-628-anos

Nota 2:

 1 Samuel 28 . 6-13
"E perguntou Saul ao SENHOR, porém o SENHOR não lhe respondeu, nem por sonhos, nem por Urim, nem por profetas.
Então disse Saul aos seus criados: Buscai-me uma mulher que tenha o espírito de feiticeira, para que vá a ela, e consulte por ela. E os seus criados lhe disseram: Eis que em En-Dor há uma mulher que tem o espírito de adivinhar.
E Saul se disfarçou, e vestiu outras roupas, e foi ele com dois homens, e de noite chegaram à mulher; e disse: Peço-te que me adivinhes pelo espírito de feiticeira, e me faças subir a quem eu te disser.
Então a mulher lhe disse: Eis aqui tu sabes o que Saul fez, como tem destruído da terra os adivinhos e os encantadores; por que, pois, me armas um laço à minha vida, para me fazeres morrer?
Então Saul lhe jurou pelo SENHOR, dizendo: Vive o SENHOR, que nenhum mal te sobrevirá por isso.
A mulher então lhe disse: A quem te farei subir? E disse ele: Faze-me subir a Samuel.
Vendo, pois, a mulher a Samuel, gritou com alta voz, e falou a Saul, dizendo: Por que me tens enganado? Pois tu mesmo és Saul.
E o rei lhe disse: Não temas; que é que vês? Então a mulher disse a Saul: Vejo deuses que sobem da terra."
 O diabo se transfigura até mesmo em anjo de luz, como nos diz o Evangelho, e seus ministros em ministros de DEUS, (2 Coríntios 11), pelo que a Medium é uma pessoa que contacta com os espíritos do mal, pensando que se está ligando a pessoas falecidas. Por isso também, ela exclama que vê deuses a subirem da terra, isto é, ela vê anjos caídos e pensa que são deuses. Um desses interpreta, como actor, a personagem do profeta Samuel e confirma o que DEUS já havia sentenciado anteriormente contra Saúl. Assim como acontece no caso apresentado aqui, os médiuns são pessoas que conscientes ou não disso, servem a Lucífer, sendo pessoas controladas ou possuídas por demónios, pelo que o cristão deve orar pela libertação dessas pessoas e procurar meios de estar forte no ESPÍRITO SANTO. 

Sem comentários:

Enviar um comentário