quinta-feira, março 24, 2011

Ciganos 4 - Viva A Justiça Voluntária!!

Se alguém quer guardar os seus valores, incomóda a sociedade- e sei-o, porque eu os tenho guardado! Não se dá valor à honra e à verdade como se deve. "Deve"! - é uma obrigação, não é um favor.

O homens podem fazer os contratos sociais, desde que não obriguem os outros. Se o Cigano quisera ser nómada, é uma questão, mas, em todo o caso, não o podem proibir, pois ele já por lá andava antes da criação dos países, quem sabe, como o de Portugal! Eu e a minha Família e a de outros Ciganos, somos Portugueses, há vários séculos.


Acho um indecência não saberem se nós derramámos sangue nas guerras deste país!...não terem em consideração o facto de que contribuímos para o desenvolvimento do comércio  através das feiras, com gados e equídeos, com vestes, com tanta coisa- antigamente não havia cá Centros Comerciais... (E agora querem acabar com as feiras , que é uma coisa que sempre existiu...); não ter em conta que como todos os cidadãos, pagamos os nossos ivas e impostos, ainda que infelizmente, somos tão indecentes qto os outros nesta obrigação (não que eu seja- com efeito, dou testemunho de mim mesmo ...falei tão-só em termos genéricos).

Desde que Adão foi expulso do Paraíso, o nomadismo sempre existiu. O Pai da Fé, Abraão, era nómada. Por ter sido da condição humana, o nomadismo desde o Princípio, é por isso um DIREITO NATURAL, ainda que isso não justifique o nomadismo forçado a que fomos votados.
Há Direitos Naturais que podem ser susceptíveis de mudar, (quando tal não seja um agravo à RAZÃO e à condição Humana), não podem ser contudo impostos. A sedentariedade foi um Costume adquirido, depois um consenso, um contrato social;o nomadismo é um direito Histórico Natural antes mesmo de ter sido costumeiro milenar, e de ter sido um Costume Transnacional , que ainda é Tradição em algumas Comunidades na Humanidade Internacional, Mundial.

Hitler fez o que fez por acusa do fenómeno da psicoadaptação e insensíbilidade consequente que gerou um consentimento implícito no silêncio do seu Povo, que ainda por cima, se satisfazia no lucro extorquido , principlamente ao judeus.

Critica-se muito e muitas vezes sem razão, porque se desconhece o mundo dos ciganos e porque se esquece de olhar no espelho-
O direito não deve depender dos nossos prazeres, e devemos fazer a Justiça, mesmo quando não nos convém. Não é?Tendo atenção às notícias da imprensa e tv, só para ter um pequeno lamiré do que se vive em Portugal e no mundo. Toda a raça humana é pecadora, uns duma maneira e outros de outra; compete-nos a nós mesmos tentar melhorar

É facto que estou a defender uma posição parcial - mas isso é advogação, é legítimo - não quer dizer que esteja a mentir ou a reter informações que levem a injusta apreciação... contudo face à severidade de críticas sem (até então) qquer defesa , e à precaridade de tal situação de pareceres públicos, que classifico, não de ingénuo ou ignorante, (que pode ser tabém), mas de simplesmente incorrecta - talvez por deficiência, falta de objectividade, por falta de conhecimentos sociológicos, traumas que impedem clareza de pensamento (?.... fica a interrogação, convosco a quem decididamente respeito e estimo) havia que realçar-me em nome da Justiça- pois esta não pode ver apenas uma das faces da moeda e continuar a chamar-se Justiça.

Façamos então, justiça com inteireza. Advoguemos posições sem perder o necessário bom senso e alguma objectividade, desprovida de traumas do passado que controlam emocionalmente.
Vejamos os casos concretos, cada qual é um caso só e não culpemos inocentes, que são honestos, ainda que alguns estejam agarrados a alguma preservação instintiva da comunidade, não por racismo (porq todos somos culpados qto a isso).
Repare-se que o que peço não é que não se zele pela Justiça. Até pelo contrário. Como "advogado dos ciganos" eu almejo-a ... Nós merecemo-la. Mas para esse efeito, o que tenho pedido, é que se julgue com Justiça, num processo mental-social objectivo, claro, imparcial. E peço-vos isto quando vos julgardes dignos de julgar algum caso. Quando fordes acusadores, então não sejais corruptos de entendimento, ainda que uma advogação acusatória seja necessariamente parcial, não tem de ser falsa, nem forjada com desonestidade alguma. Antes esta serve para que quem julga, recolha a informação do lado da moeda que lhe corresponde. E ... Novidade! Todos nós somos mentalmente advogados e juízes para tudo na vida. Então- sejamos sãos!

Quero aqui, assim, acordar a possibilidade de nos inteirarmos melhor sobre a posição que tenhamos a cada momento, chamando à atenção para o facto de que é preciso termos compreensão, não a do deixar simplesmente passar a irresponabilidade e imoralidade, por vezes criminosa dos outros, mas a que, para que se consiga obter, requer por vezes até com esforço, uma mente aberta, honestidade intelectual, isenção de pensamento. E é com tal inteligência que se pode classificar, julgar com a devida retidão, as situações com que nos pudemos defrontar.

No entanto, se exige respeito a pessoas que não conhece pessoalmente e lhes deseja a morte, e a aflição do desterro e da miséria contínua... como pode julgá-las pelas intuições que tenham acerca do seu mau caracter e procedam de acordo?
Ou seja, não pode julgá-las por terem um comportamento menos dissimulado que o seu, e por mostrarem as emoções...

Se o problema são os maus costumes - (que os temos) - então, não deixemos de ver os bons costumes - que também temos - e não julguemos sem examinar a nossa própria realidade pessoal. Por exemplo, gostaria de enumerar: aos impostos fogem quase todos, independente da raça, quando podem, e só por não se poder é que muitos não fogem; roubar, vender droga, fazer prostituição, trazer doenças para casa, mentir, enganar, falar com má-língua, invejar, escarnecer dos mais desfavorecidos, arrogar, ser hipócritas, “lamber as botas”, trair amigos, ser falso e dar falsos testemunhos, criar “grupinhos” para lutar contra a Verdade em prol de interesses, etç, etç... etç.-isso todos o fazem. E caso não se saiba, há muitos maus costumes que a Lei admite em nome do imoralismo defendido por muitos como moralismo... Mas tudo bem. Apontem-se os erros concretos dessa realidade concreta

Tenho vergonha do que alguns elementos fazem, e que fazem parte da comunidade cigana. Estes devem ser responsabilizados pela injustiça que cometem

É facto que o Gitano tinha de andar de terra em terra, por motivos intrínsecos à sua natureza e cultura, mas tb por motivos extrínsecos- eu, ainda hoje, se for à procura de trabalho, duvido que mo deêm se souberem que sou cigano!

É preciso termos compreensão, não a do deixar simplesmente passar , mas a que para que se consiga obter, requer por vezes até com esforço, honestidade intelectual e esquecimento de mágoas (pois essas coisas traduzem-se, quase invariávelmente, numa consequente subjectividade e dificuldade, por sua vez, de isenção de pensamento). E é com tal inteligência que se pode classificar, julgar com a devida retidão, as situações.

E creio que não foi inoportuna, a minha chamada de atenção, se nós conseguirmos "separar as águas", acolheremos o que acharmos bem; de contrário misturaremos tudo de forma a considerar que tudo o que venha de um individuo que tem uma ou outra ideia diferente das nossas, é errado- é o chamado efeito de Halo, em psicologia: considera-SE tudo mau. Cuidado com tais parcialidades subjectivas e injustas, que pesam injustamente sobre as pessoas com quem tenhamos tal comportamento irracional/imoral. Consideram os ciganos todos iguais e todos uns criminosos, sem nunca terem tentado ver quais as possíveis argumentações de defesa e motivos para com o exemplo particular do qual retiram as vossas conclusãos indutivas.... Francamente, que péssima dialética para classificação.

Viva a Moral- a Justiça voluntária. Ninguém vive numa barraca porq queira, COM RATOS E OSGAS. É a regra do bom senso, é a lógica.

Mas vos disse que o trabalho dos ciganos não é trabalho??? Eu já trabalhei em muitas empresas com muita gente e deixem-me dizer que o meu pai a par de muitos ciganos trabalham muito mais do que as pessoas com quem tentei trabalhar ao longo de vários anos nessas várias empresas.

Não vão à procura de trabalho??? Se calhar já trabalhaste com ciganos e nem deste por isso. Como eu. Mas decididamente o cigano tem dificuldade em integrar-se na hipocrisia sofisticada educadamente refinada nos ambientes de trabalho empresariais de hoje em dia- são todos uns falsos- (passo a ideia generica). Querem casas à borla, como eles? Então, porque não vêm viver em bairros de barracas sem casas de banho, com osgas e ratos à mistura , durante 30 anos; depois pode ser que a população indignada não consinta com as decisões político administrativas.

Se os vossos pais trabalham, fiquem sabendo que trabalham para si mesmos. Os ciganos que trabalham, não são reconhecidos, porquê? aFINAL, QUEM VOS EXPLORA NOS EMPREGOS NÃO SÃO OS VOSSOS PAtrões? Se há uma amostra de ciganos das barracas com carros e carrinhas de topo de gama, não são a maioria.

Eu tb não julgo as pessoas que têm cães de mesma forma por igual, só porque há alguns que tendo imesno espaço para levar os cães às necessidades, vêm pra um circuito e para um espaço com relva frequentado por pessoas que até gostam de se recostar nela, e ainda , desafiando os placards de multas. Compreendo a vossa indignação, mas não devem julgar uma população inteira por causa de meia dúzia e nem julgar-nos com um desejo de morte por defeitos que todos têm.



A Paz



+++

Sem comentários:

Enviar um comentário