sexta-feira, fevereiro 17, 2012

O psiquiatra Augusto Cury





É doutor honoris causa pela UNIFIL (Centro Universitário Filadélfia, em Londrina) e membro de honra da Academia de Sobredotados do Instituto da Inteligência, da cidade do Porto, Portugal. Além disso, ele é diretor da Academia de Inteligência, instituto que promove o treinamento de educólogos, educadores e do público em geral.

Em Março de 2008, foi criado o Centro de Estudos Augusto Cury, em Portugal, estando o mesmo integrado no Instituto da Inteligência daquele país. (Cf Wikipédia).


Obras
Revolucione sua qualidade de Vida (em Portugal intitulado: Revolucione a sua qualidade de vida)
A ditadura da beleza e a revolução das mulheres (em Portugal intitulado: A Ditadura da Beleza)
O futuro da humanidade (em Portugal intitulado: A Saga de um Pensador)
Você é insubstituível
Nunca desista de seus sonhos (em Portugal intitulado: Nunca desista dos seus sonhos)
Pais brilhantes, professores fascinantes
Filhos brilhantes, alunos fascinantes
Análise da Inteligência de Cristo
Inteligência multifocal
Doze semanas para mudar uma vida
Superando o cárcere da emoção
Dez Leis para Ser Feliz
Seja Líder de Si Mesmo (em Portugal intitulado Seja Líder de Si Próprio)
Os Segredos do Pai-Nosso
O Vendedor de Sonhos
Escola da Vida: Harry Potter no Mundo Real
Treinando a emoção para ser feliz
Maria, a maior educadora da História
O Código da Inteligência
O Vendedor de Sonhos: O Chamado
O Vendedor de Sonhos e a Revolução dos Anônimos
o mestre dos mestres(Cf Wikipédia).
_________________


Link Relacionado:
Literatura- http://www.scribd.com/doc/12606462/Treinando-a-Emocao-Para-Ser-Feliz-Augusto-Cury


Dr. Augusto Cury, o autor mais lido no Brasil, trocando idéias sobre sua grande obra "Análise da Inteligência de Cristo".

Augusto Cury diz que era, talvez, mais ateu do que o próprio NIETZSCHE! Sim, pois ele era um ateu científico, com conhecimento de causa, enquanto Nietzsche seria um ateu que combatia alguns atos religiosos e escreveu sobre a "morte de Deus" e por isso baniu a idéia de Deus da sua mente.
Cury é medico psiquiatra, escritor e cientista, pos-graduado em Psicologia Social; Pensador, pesquisador de Psicologia. Desenvolveu em 17 anos a primeira teoria brasileira sobre a Construção da Inteligência, denominada de Inteligência Multifocal. O cientista da alma diz:

"Eu fui um dos maiores ateus que já pisou nessa terra, talvez mais do que Nietzsche que escreveu sobre a "morte de Deus"; do que Marx que considerou Deus como "ópio" da sociedade; pra mim, Deus era uma invenção da psique humana, uma construção dos pensamentos (que é a minha área de pesquisa), então nesse aspecto eu fui um ateu científico; eles foram ateus que combatiam alguns atos religiosos e por isso baniram a idéia de Deus da sua mente. *
A partir de desenvolver a teoria da "Inteligência Multifocal" eu comecei a estudar como os pensadores na história da humanidade brilharam na sua inteligência. Como Einstein, com 27 anos, conseguiu abrir o leque do pensamento e produzir uma teoria extremamente complexa, e Freud, e assim por diante, até que cheguei a estudar a personalidade de Jesus Cristo, nos quatro Evangelhos e questionei as intenções (...) faz mais ou menos uns dez anos que eu venho pesquisando mais profundamente. Eu não era uma pessoa religiosa, era um ateu contundente; claro que eu tive obviamente na minha memória todo um ensino religioso dos meus pais (como a maioria das pessoas), exatamente. Eu tive um passado onde eu critiquei, quis banir a idéia de Deus da minha mente, passei por uma angústia muito grande porque uma vez que você bane a idéia de Deus você tem que suportar as consequências disso, e eu sou um cientista da área da construção da memória e da personalidade; se eu banir a idéia de Deus um dia eu vou visitar a solidão de um túmulo e a minha memória vai se tornar um caos, bilhões de informações se esfacelarão nesta solidão do túmulo e eu nunca mais resgatarei a minha personalidade. Marx não pensou nisso quando se tornou um ateu, Freud talvez não tenha pensado, mas eu pensei por ser a minha área de pesquisa. E eu pegava a minha filha no colo, a mais nova, a Claudia, e eu sabia que um dia eu morrerei e nunca eu teria de volta o conhecimento de quem fui e nem de quem a minha filha foi ou minhas outras duas filhas foram. Isso me levou a uma implosão do meu ceticismo e me levou a pesquisar se Deus era fruto da inteligência ou não, se Jesus Cristo era fruto das intenções conscientes dos autores dos Evangelhos ou não, e se Ele poderia ou não caber no imaginário humano, então estudei cada linha, cada frase, cada reação de Jesus Cristo nas mais variadas situações descritas nos Evangelhos em várias versões, estudei com espírito crítico científico e quando eu comecei a estudá-lo dessa maneira eu fiquei profundamente abalado porque eu percebi que esse Homem Jesus não cabe no imaginário humano. Veja bem: quando Judas, no ato da traição O beija, só o beijo afetivo dele indica que aquele homem era repleto de sensibilidade porque nenhum de nós seria traído com um beijo, entendeu? Além disso, quando ele O beija, a psiquiatria esperava de Jesus ser controlado pela raiva, pela frustração, pelo ódio, e não reagisse com inteligência, mas no exato momento em que Ele foi beijado, Ele gerencia os pensamentos, controla a Sua emoção, abre o leque da Sua inteligência, olha para o seu traidor e diz:
"-Amigo, para que vieste?"
Nunca na História uma pessoa traída tratou com tanta dignidade, inteligência e altruísmo o seu traidor. Então eu percebo - esse Homem não cabe no imaginário humano. Eu O comparei com a atitude de Freud que foi contrariado por alguns amigos na tese da sexualidade como Jung e Adler, e não suportou os dois amigos, baniu da família psicanalítica, ao passo que Jesus Cristo incluiu o Seu traidor, o chamou de amigo e deu até o último minuto uma oportunidade para ele reescrever a sua história, o que indica que Ele não tinha medo de ser traído, Ele tinha medo de perder um amigo. Então, estudando a personalidade de Jesus sob esta ótica eu fiquei fascinado e percebi que Ele não poderia ser constituído pela criatividade humana; Ele andou, respirou, viveu e, se amado, o amor por Ele nem de longe é um ato de pequenez intelectual mas de grandeza porque pode levar à estatura da sensibilidade."


Fonte: Forum cristão.


*O destaque é meu.

Sem comentários:

Enviar um comentário